top of page

VÍDEOS

Aqui você encontrará vídeos do nosso canal com ações, eventos e registros de projetos realizados. Nossa missão é fazer a diferença na vida das pessoas e estamos comprometidos em fornecer ajuda e apoio. Junte-se a nós e veja o impacto positivo que estamos fazendo juntos. Esperamos que você goste do conteúdo e fique inspirado para se envolver e fazer a diferença também!

XI Jogos dos Povos Indígenas do Ceará
16:26
CDPDH VIDEOS

XI Jogos dos Povos Indígenas do Ceará

Os XI Jogos dos Povos Indígenas do Ceará, realizados de 18 a 21 de janeiro de 2024 e executado pelo Centro de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos da Arquidiocese de Fortaleza - CDPDH, financiado pelo Governo do Estado através da Secretaria de Esporte do Ceará - SESPORTE, foi um evento cultural e esportivo que promoveu a diversidade e a tradição de 12 povos indígenas (Anacé, Jenipapo-Kanindé, Kalabaça, Kanindé, Kariri, Potyguara, Pitaguary, Tabajara, Tubiba-Tapuya, Tapeba, Tremembé, Tupinambá) de 16 municípios (Acaraú, Itarema, Aquiraz, Aratuba, Canindé, Caucaia, Crateús, Itapipoca, Monsenhor Tabosa, Tamboril, Boa Viagem, Novo Oriente, Pacatuba, Maracanaú, Quiterianópolis, Tamboril). Com competições de arco e flecha, corrida de tora, queda de braço, arremesso de lança, corrida revezada com maraca, natação, futebol e tiro de baladeira. Trazendo suas danças e cantos tradicionais, o evento proporcionou um espaço de celebração e intercâmbio cultural, fortalecendo a identidade e os laços entre os povos indígenas participantes. Além das atividades esportivas, houve também exposições de artesanato, enriquecendo a experiência e evidenciando a riqueza cultural dessas comunidades. Contamos com a honrosa presença do Reverendíssimo Dom Gregório Ben Lâmed Paixão - Arcebispo Metropolitano de Fortaleza e Presidente do Centro de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos da Arquidiocese de Fortaleza - CDPDH. Estiveram presente as autoridades: · Secretário do Esporte do Ceará, Rogério Pinheiro; · Secretária dos Povos Indígenas do Ceará, Juliana Alves; · Prefeito de Aquiraz, Bruno Gonçalves; · Representante do Ministério dos Povos Indígenas, Karkaju Pataxó; · Representantes do povo Jenipapo-Kanindé, Cacique Jurema e Pajé João; · Secretário de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Weibe Tapeba; · Assessora de Projetos da Defensoria Pública do Ceará, Camila Vieira Nunes Moura; · Coordenador da Fundação Nacional do Povos Indígenas (FUNAI), Thiago Anacé; · Vice-coordenadora da Federação dos Povos e Organizações Indígenas do Ceará, Naara Tapeba; · Secretário de Esporte, Juventude e Lazer de Aquiraz, Marnei Cavalcante de Freitas; · Diretor do Centro de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos da Arquidiocese de Fortaleza, Padre Élio Correia; · Coordenador da Organização dos Professores e Professoras Indígenas do Ceará, Fábio Alves; · Coordenador da Juventude Indígena do Ceará, Madson Pitaguary; · Coordenador da Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo, Cassimiro Tapeba; · Representante da Articulação das Mulheres Indígenas do Ceará, Eleniza Tabajara; · Coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI/CE), Lucas Guerra. SOBRE A EQUIPE DE COMUNICAÇÃO INDÍGENA . Victor Kanindé . Lidiane Anacé . Iago Jenipapo-Kanindé . Raphael Anacé . Marcelo Anacé COORDENADOR DE COMUNICAÇÃO . Tearle Pinheiro CONTRIBUIÇÃO . Evaldo Silva
XXVII Assembleia dos Povos Indígenas do Ceará - 2023
08:52
CDPDH VIDEOS

XXVII Assembleia dos Povos Indígenas do Ceará - 2023

O fortalecimento do movimento indígena do Ceará se dá através da unidade coletiva e da mobilização permanente, para resistir diante de violações de direitos e retrocessos. Entre os dias 17 e 21 de julho de 2023, aconteceu na aldeia Gameleira do povo Tapuya-Kariri nos municípios de São Benedito e Carnaubal na Serra da Ibiapaba a XXVII Assembleia Estadual dos Povos Indígenas do Ceará. Com aproximadamente 400 indígenas de todo o estado do Ceará, discutindo pautas de interesses coletivos para os povos indígenas. O evento contou com aproximadamente 400 indígenas de todo estado, Organizações Indígenas, Parceiros e Órgãos do Estado para discutir pautas de interesses coletivos para os povos. Estiverem presentes Weibe Tapeba, Secretário da SESAI; Juliana Alves, Secretaria dos Povos Indígenas - SEPIN/CE; Lucas Guerra, Coordenador do DSEI/CE; Ceiça Pitaguary, Secretaria de Gestão Ambiental e Territorial dos Povos Indígenas; Thiago Anacé, Coordenador da FUNAI/CE; Lucinha Tremembé, Coordenadora Geral de Participação e Controle Social da Saúde Indígena; Celso Xucuru-Kariri, Coordenador do Fórum de Presidentes de Conselhos Distritais de Saúde Indígena; Paulo Tupinikim, Coordenador Executivo da APOINME; Aconteceu o Lançamento do Concurso para Professoras e Professores Indígenas do Ceará com o Governador Elmano de Freitas, um marco histórico para os povos indígenas do Ceará. Ao final da Assembleia, ocorreu a eleição para a composição da nova diretoria da FEPOINCE: Coordenadora: Andrea Tapuya-Kariri Vice Coordenadora: Naara Tapeba 1ª Secretária: Glaubiana Jenipapo-Kanindé 2ª Secretária: Eliane Tabajara 1ª Tesoureira: Clara Kanindé 2ª Tesoureira: Janaína Pitaguary Efetivos do Conselho Fiscal Rosa Potyguara Juliene Tremembé Renan Tabajara Suplentes do Conselho Fiscal Luana Potyguara Joedson Kariri Climério Anacé Imagens e Edição - Rapha Anacé e Victor Kanindé
Mulheres Indígenas do Ceará: no coletico somos únicas - Lançamento do livro
05:20
CDPDH VIDEOS

Mulheres Indígenas do Ceará: no coletico somos únicas - Lançamento do livro

No dia 10 de março de 2023 foi lançado o documentário Mulheres Indígenas do Ceará: No coletivo somos únicas, no Teatro Morro do Ouro, anexo ao Theatro José de Alencar. O livro apresenta a trajetória de quatorze mulheres indígenas que se destacam na defesa de seus territórios, na luta pela vida e pela preservação da biodiversidade. O objetivo é valorizar a trajetória individual de guerreiras que colocam a sua vida em risco em prol da luta coletiva e a trajetória dessas guerreiras, que aqui representam uma infinidade de outras mulheres que conciliando trabalho, maternidade e cuidado com a coletividade também se dedicam a causa da demarcação dos territórios e fazem acontecer uma corrente de resistência e fortaleza na luta por um Estado que respeite, valorize e proteja os povos originários e sobretudo a vida das mulheres indígenas. Existe uma frase muito utilizada pelo movimento indígena que diz: "As mulheres indígenas são como rios, crescem quando se unem". No coletivo essas mulheres demonstram a sua força, pois constroem laços de amizade e cumplicidade que fortalecem a resistência. Porém, cada uma tem sua trajetória individual, de muitas conquistas, sonhos, dores, alegrias e espiritualidade. Esse livro é dedicado a todas as mulheres indígenas. São essas guerreiras que todos os dias dedicam suas vidas na defesa da vida e dos seus territórios. Que possam ser reconhecidas, valorizadas e sobretudo respeitadas. Elas são as verdadeiras escritoras, pois constroem essas narrativas com a força de suas vidas. Edição e Imagens: @lihvmaker
bottom of page